sexta-feira, 28 de agosto de 2009

SONETO À SABEDORIA



Será que sei tudo?
Eu não sei tudo!
Porque se tudo soubesse,
Então saberia tudo!


Ah! Se eu soubesse mesmo tudo,
Importância não teria o saber nada.
O nada não se constrói com a ausência de tudo,
O nada se constrói com a ignorância cultivada.


Sabedoria! Renego o nada, persigo o tudo!
Sei que jamais saberei tudo,
Mas morrerei lutando contra o nada.


E por tudo o que sei leva-me saber,
Que quanto mais souber, menos saberei.
O saber é tudo! A mente um nada!

5 comentários:

Fatima disse...

Eu só sei que gostei!
Bjs meu querido.

Almerinda disse...

Olá, Gilberto!
Adorei tua visita!!!
A tua poesia é um encanto!!! Sabe, há um tempinho fiz uma brincadeira com a sabedoria...assim:

Sabedoria.
Sabedor
Sabe?
Ria!
Ser sabedor
Não é ter
Sabedoria.

Não ficou bonitinho??!rsrs

A mente do sábio é tudo!!!Produz este encanto de SONETO À SABEDORIA
que traz uma verdade muito verdadeira: quanto mais souber (a pessoa) mais claro ficará que não sabe nada...rsrsrs (humildade!)

Gosto muito de te ler!

Abraços

G I L B E R T O disse...

Fatima

Grato por tuas visitas em nel mezzo del cammim e teu carinho sempre presente!
És especial para a gente aqui, minha querida!

Almerinda

Realmente, lindo esse pequeno poema. Sabedoria deveria ser a busca de toda a humanidade, chega de inteligência, nossa inteligencia cada vez maior tem nos levado por caminhos que somente nos envergonham, na maioria dos casos!

Abraços, Almerinda! Grato por tua visita e por teu carinho!

Beijos e abraços nas duas amigas!

HSLO disse...

Nunca sabemos tudo...né verdade.

Lindo texto, amigo.


abraços


amigo, Hugo

carlos sousa disse...

ringrazio amico, siamo tutti di essere elogiati. Ero felice con le sue parole e di reciprocità.