quinta-feira, 10 de setembro de 2009

CARTA A STALINGRADO



Stalingrado...
Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades!
O mundo não acabou, pois que entre as ruínas
outros homens surgem, a face negra de pó e de pólvora,
e o hálito selvagem da liberdade
dilata os seus peitos, Stalingrado,
seus peitos que estalam e caem,
enquanto outros, vingadores, se elevam.
A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais.
Os telegramas de Moscou repetem Homero.
Mas Homero é velho. Os telegramas cantam um mundo novo
que nós, na escuridão, ignorávamos.
Fomos encontrá-lo em ti, cidade destruída,
na paz de tuas ruas mortas mas não conformadas,
no teu arquejo de vida mais forte que o estouro das bombas,
na tua fria vontade de resistir.


Saber que resistes.
Que enquanto dormimos, comemos e trabalhamos, resistes.
Que quando abrimos o jornal pela manhã teu nome (em ouro oculto) estará firme no alto da página.
Terá custado milhares de homens, tanques e aviões, mas valeu a pena.
Saber que vigias, Stalingrado,
sobre nossas cabeças, nossas prevenções e nossos confusos pensamentos distantes
dá um enorme alento à alma desesperada
e ao coração que duvida.
Stalingrado, miserável monte de escombros, entretanto resplandecente!
As belas cidades do mundo contemplam-te em pasmo silêncio.
Débeis em face do teu pavoroso poder,
mesquinhas no seu esplendor de mármores salvos e rios não profanados,
as pobres e prudentes cidades, outrora gloriosas, entregues sem luta,
aprendem contigo o gesto de fogo.
Também elas podem esperar.
Stalingrado, quantas esperanças!
Que flores, que cristais e músicas o teu nome nos derrama!
Que felicidade brota de tuas casas!
De umas apenas resta a escada cheia de corpos;
de outras o cano de gás, a torneira, uma bacia de criança.
Não há mais livros para ler nem teatros funcionando nem trabalho nas fábricas,
todos morreram, estropiaram-se, os últimos defendem pedaços negros de parede,
mas a vida em ti é prodigiosa e pulula como insetos ao sol,
ó minha louca Stalingrado!
A tamanha distância procuro, indago, cheiro destroços sangrentos,
apalpo as formas desmanteladas de teu corpo,
caminho solitariamente em tuas ruas onde há mãos soltas e relógios partidos,
sinto-te como uma criatura humana, e que és tu, Stalingrado, senão isto?
Uma criatura que não quer morrer e combate,
contra o céu, a água, o metal, a criatura combate,
contra milhões de braços e engenhos mecânicos a criatura combate,
contra o frio, a fome, a noite, contra a morte a criatura combate,
e vence.
As cidades podem vencer, Stalingrado!
Penso na vitória das cidades, que por enquanto é apenas uma fumaça subindo do Volga.
Penso no colar de cidades, que se amarão e se defenderão contra tudo.
Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres,
a grande Cidade de amanhã erguerá a sua Ordem.


(Andrade, Carlos Drummond de. A Rosa do Povo. Rio de Janeiro: Record, 1987)

9 comentários:

G I L B E R T O disse...

Post Scriptun

Ilustrações retratam a cidade de Stalingrado, em 1943.

Rosan disse...

Gilberto.
Preciso de todas essas bençãos.
Stalingrado, lembra muita dor, que o mundo viveu, naqueles dias e vive ainda nos dias atuais, onde tantos vivem nas trevas, sem amor, sem paz.
Mas sei que tudo está mudando e vai ficar cada vez melhor, as pessoas mais iluminadas, começam a ouvir mais o coração, e assim tudo se torna sentimento.
A natureza nos mostra o caminho, os cactus nos mostram através de suas flores que é possível.
agradeço a bela visita.
Abraços luminosos.
Rosan.

Fatima disse...

Gilberto,
vc acredita que a minha filha gosta de ler este livro.
E depois fica pedindo explicação dos poemas.
Não é uma coisa linda minha menina.
Bjs.

Fatima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lídia Borges disse...

E enquanto um só homem resistir não morrerá a esperança...

Obrigada por trazer este maravilhoso texto para que a memória não se apague.

Tatiana disse...

Bom dia Gilberto!

Seu blog é uma preciosidade.
Fico feliz que tenha encontrado o meu e assim me dado a oportunidade de estar aqui.

Vi que comentaste em algumas postagens minhas... e só tenho a agradecer de todo o meu coração.

Estarei acompanhando seu blog.

Um abraço carinhoso

Maria das Graças disse...

Gilberto, esse texto de Drummond é um retrato emocionante da alma da maravilhosa cidade de Staliningrado (St.Petersbug). Uma cidade grandiosa que transpira cultura,uma história linda de resistência, reconstrução, amor a cultura e suas tradições.
Conheci St. Peterburg em 2008,foi uma das mais fortes emoções de minha vida. É uma cidade inacreditável que leva a reflexão: que grande capacidade de soreviver, reconstruir e reaver seus tesouros culturais maravilhosos que foram saqueados durante a guerra. Explendorosa St. Peterburg!!!

Um grande abraço

Anônimo disse...

It’s really informative post. I'ts very useful. You have very nice blog. That's one thing I'm really looking forward. Looking forward to reading more from you.

------------------------------------------
Free Poker Bankrolls - No need to deposit any money !
Regards

Deficiente Ciente disse...

Obrigada pelas palavras encorajadoras!
Também fiquei encantada com suas palavras!
Infelizmente, o ser humano ainda tem uma certa dificuldade para conviver com as diferenças. Se o homem atual trava como ele mesmo uma busca incansável pela satisfação pessoal, imagina a dificuldade que ele vai ter para aceitar e conviver com os diversos tipos de pessoas(raça, cor, deficiência, religião, etc).
Seria tão bom se as pessoas aprendessem a respeitar os seus semelhantes e aceitá-los como eles realmente são, não é? Acredito que exatamente ai entra a educação básica que é papel dos pais ensinarem seus filhos a conviver e respeitar as diferenças e depois vem o papel da escola.
Vamos aguardar, pois ainda chegaremos lá...
Obrigada, Gilberto!
abraços
Vera

Obs.Estou gostando muito do seu blog!