sexta-feira, 18 de setembro de 2009

A BELEZA E A BELEZA QUE BUSCAS


Reconheceu!
Ela era linda como o sol da primavera
Nascendo sob um belo jardim em flor
Numa clara manhã de setembro.
Seu corpo era perfeito,
Como se o próprio Deus
Houvesse-lhe esculpido
Antes de dar-lhe o sopro da vida.
Mas não era para ele! Não era...
Era fútil, vazia de pensamentos nobres
E idéias interessantes,
Afeita a materialismos tolos e
Uma vaidade estúpida!
O espelho era o maior de seus amantes.
Olhava para ele como se visse uma Minerva,
O reflexo entregando uma mulher comum!
Todos os demais eram pisoteados
Por seu olhar superior,
E tudo deveria estar a seus pés,
Idolatrando sua beleza,
Beleza que tinha nela
A maior de todas as beatas.
Ainda que seus olhos
Insistissem na tentação de olhá-la,
Seu coração de pronto
Recusou seus encantos ocos.
Enquanto todos acenderam
Velas em seu altar.
Ele preferiu seguir em frente
Buscando a verdadeira beleza...
Aquela beleza que não encanta
Os olhos vaidosos e fracos,
E sim os ouvidos sábios.
A beleza que não encanta os olhos
Vaidosos e fracos,
Mas enche de magia
(e felicidade) o coração!!!

4 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Bem dizem que a beleza está nos olhos de quem vê, tudo que amamos nos parece muito mais bonito que aos outros. Importante é olhar o espelho mas ver nossa melhor imagem, aquela que carregaremos sempre, em qualquer idade.
Um abraço, lindo final de semana

Cris França disse...

Muito lindo meu amigo este poema, uma pérola num mundo rendido a estética perfeita e vazia.
bjs e bom fim de semana!

Elaine disse...

Olá!
Este é um comentário-lembrete:
Amanhã, dia 20 de setembro, é o dia da Blogagem Coletiva em comemoração ao 1º aniversário do meu blog: Uma carta para mim.
Como seu blog é um dos inscritos estou passando para lembrar.
Espero por você!
Elaine

Gorete . SoLua disse...

Gilberto, beleza idolatrada até o proprio coração recusa.

Lindissimo poema!

Doces beijos