domingo, 8 de novembro de 2009

VIVENDO DE LEMBRANÇAS



Ainda me é fresco na memória
O contato do seu corpo sobre o meu.
Ah! Nessas horas me perdia num abismo,
E só queria o beijo seu!




E a noite sempre eterna e majestosa
Se iluminava quando fazíamos amor.
Até mesmo as estrelas se ofuscavam
Pois tudo era feito com ardor.




Não havia mais nada a dizer,
Nada mais para falar.
Eu só queria você, você e você,
Cada vez mais te amar.




Agora desperto dos meus sonhos,
Doces pensamentos de pura ilusão.
Você não vive no meu presente,
É de passado que se enche meu coração.




Porém existe sempre o consolo,
Que é só você que sei amar,
E recorro as minhas lembranças
(sempre elas!!!) Para me consolar!

9 comentários:

Priscila disse...

As lembranças não me consolam faz um tempo, infelizmente.

Belissimo!

Um beijo

Fatima disse...

E quando a gente vive de lembranças de uma coisa que nunca aconteceu?
Parece loucura né? Mas vc me conhece, loucura é comigo mesmo!
Bjs amigomeuzinho do meu coração.

Renata disse...

O deputado Otavio Leite trabalhou para incluir na Lei federal 12.058/09, publicada no Diário Oficial da União de 14/10, uma emenda reduzindo a zero a alíquota da Cofins cobrada na venda no Brasil de artigos e aparelhos de próteses, ortopédicos ou para fratura, além de almofadas antiescaras (Art.8, XIX, XX e XXI).

A outra vitória foi a aprovação também de alíquota zero de imposto na importação de artigos e aparelhos de próteses, ortopédicos ou para fratura, mais almofadas antiescaras (Art.28, XV, XVI e XVII).

O objetivo é reduzir de imediato o preço dos artigos para o consumidor nas lojas brasileiras, que normalmente já gasta muito com outras despesas médicas. Para Otavio Leite, a redução nos tributos representa uma melhora na qualidade de vida dos brasileiros que possuem algum tipo de deficiência.

"É um grande avanço que permitirá logo a milhares de pessoas em todo o país comprarem produtos mais baratos para o bem de suas vidas. Falo de um conjunto de brasileiros e brasileiras com algum tipo de deficiência física, auditiva, visual e/ou intelectual, que soma 15% da população. Essa conquista garante direitos fundamentais, como o ir e vir", explica Leite.

O parlamentar lembra que a proteção e integração social da pessoa com deficiência, prevista na Constituição Federal, é uma obrigação dos governantes.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12058.htm

Deficiente Ciente disse...

É impossível não recordar o passado lendo essa poesia.
Lembro-me como se fosse hoje do meu primeiro amor de adolescência. Que saudade desse tempo que foi e não volta mais...no entanto, pensando bem, ficaram as doces lembranças...
Só você mesmo, meu amigo, para despertar as lembranças bem guardadinhas no coração da gente!

abraços
Vera

Cris França disse...

"eu ja nasci com saudade...
na maternidade eu chorava
se soubesse falar
respondia a minha mãe que perguntava
- eu choro é de saudade"

ROSANA VENTURA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ROSANA VENTURA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ROSANA VENTURA disse...

Lindo Post.
Quem é que nunca se recordou de um amor...? Ou de uma paixão?( coisas bem diferentes). Mas são de lembranças ( muitas vezes ruins)que fazemos nosso presente. Não repetindo mais os mesmos erros, não deixando nosso presente escapulir pelas mãos.
Bacana lembrar o passado....mas bora de volta pro presente que o tempo é curto e ainda temos de nos preocupar com o futuro!!!!
È muita coisa né meu amigo Gilberto!!!
Lindo poema, mas desejo, hoje, no seu presente, um dia iluminado, pois ainda que lá fora haja uma tempestade ninguém pode jamais tirar o céu azul da sua alma!
Bjos

Zana Ventura

Regina disse...

Gilberto, querido...

O que importa é ter podido viver doces momentos para poder relembrar...

Nada se perde, pois as lembranças permanecem... e que sejam somente lembranças belas!

Beijos!!