segunda-feira, 2 de novembro de 2009

DEFICIENTE CIENTE


Como blogueiro, dias atrás, sai sem rumo pela net, seguindo a força das marés, navegando à deriva ao sabor dos oceanos virtuais, quando aportei num blog muitíssimo interessante: o blog da Vera, o deficiente ciente, eis o link: http://www.deficienteciente.blogspot.com/ .
A Vera trabalha no setor de ensino, é paulista, pedagoga, amputada devido a um acidente em sua infância, e por tudo o que já li por lá em seu blog, muito inteligente, sensível, determinada em fazer este mundo um melhor lugar para aqueles que possuam alguma espécie de deficiente permanente ou temporária.
O blog deficiente ciente, segundo descrição dela própria, "tem como objetivo informar as pessoas com deficiências (PCDs) assunto úteis ao seu dia a dia, procurando facilitar a difusão de informações sobre deficiência. Outro objetivo é estimular a inclusão social e lutar por uma melhor qualidade de vida para que os PCDs possa efetivamente exercer sua cidadania".
E, assim, a Vera captura em revistas, jornais, programas de TV, na própria net, textos, reportagens e noticias que sejam do interesse dos portadores de deficiências e excepcionalidades, além de pontuar aqui e ali, com textos dela própria. Tudo em busca da consicentização, da educação dos PCDs e dos ditos normais, da sociedade de um modo geral, buscando melhorar a vida e a acessibilidade para pessoas que tem dificuldades, muitas vezes, de apenas subir em uma calçada.
Desde o primeiro momento em que vi o blog deficiente ciente encantei-me com a proposta dele. Achei uma idéia muito inteligente da Vera de transformar aquele espaço num canal de difusão de idéias, filosofia de vida, de busca por algo melhor por uma classe de nossa sociedade que na maioria das vezes é esquecida por todos. Nosso mundo é extremamente ditatorial, e tudo nele é construído para aqueles que são ditos perfeitos; não se encaixa neste estereótipo formatada pelo sistema todos aqueles que possuam alguma deficiência, seja ela permanente, ou mesmo temporária. Afinal, esquecemos que, podemos sofrer algum acidente e ficarmos inabilitados por algum tempo e, neste ínterim, termos de nos inserir no universo daqueles que tem a excepcionalidade como realidade de vida.
Nel mezzo del cammim encantou-se pelo blog deficiente ciente, pela sua proposta e por sua fidalga luta em prol de pessoas que, na maioria das vezes, não tem quem fale por elas. E, desta forma, convido a todos os meus excelentes amigos e amigas, gente da mais nobre estirpe que vão até lá visitar o blog deficiente ciente e o conheçam e, se possível, peçam para que os seus amigos também o visitem e assim por diante, criando uma grande rede de solidariedade em prol dessa causa que é pura conscientização e educação de nós mesmos e de nossos iguais.
Será medido o grau de civilização e educação de um povo pela forma como ele trata suas minorias.
De toda a forma, deixo meu respeito e minha admiração pelo belo trabalho que a Vera realiza no seu blog deficiente ciente. A sua história de vida (e as outras que ela posta lá) e sua luta me inspira todos os dias a rever conceitos e a testemunhar que a vida pode ser linda e feliz quando a gente aprende a olhar do jeito certo para ela...
Abaixo, um texto da Vera, postado no deficiente ciente, logicamente, esta honra de dividi-lo convosco, meus amigos e amigas maravilhosos, foi ela quem me deu!

Um abraço a todos e sejam felizes!


MINHA PRIMEIRA VITÓRIA

Texto Escrito por Vera (Deficiente Ciente)


Dois anos após o meu acidente (contarei em detalhes em outra oportunidade) estava com treze anos de idade e queria de todo jeito aprender a datilografar. Nessa época nem sonhava em usar um computador, pois o mesmo era uma máquina sofisticada destinada a uma classe social favorável e eu e minha família não nos enquadrávamos nessa classe.


Devido a minha vontade resoluta para aprender a datilografar, minha mãe fez minha matrícula num curso de datilografia. No primeiro dia de aula, a professora do curso perguntou como eu iria fazer para datilografar, respondi que possuía uma única mão, e poderia datilografar sem problemas. Engraçado que eu falei que digitaria com uma só mão, como se fosse a coisa mais natural do mundo. A frase da professora não representou para mim nenhum obstáculo, o meu objetivo era aprender, e eu estava ali para isso.


Não foi nada fácil lidar com aquela gigantesca máquina de escrever do curso de datilografia. Quem passou por isso na década de 80 sabe do que estou falando. Me sentia perdida no meio daquilo tudo, mas minha vontade de aprender era muito maior do que a minha vontade de desistir. “Querer é poder” não é o que diz uma das máximas mais citadas?


Lembro-me bem do dia em que pedi insistentemente ao meu pai para comprar uma máquina de escrever, para que eu pudesse treinar as lições do curso em casa. Meu pai, para me ver feliz, comprou com muito sacrifício, a tal da máquina.


Um dos dias mais felizes da minha vida, foi quando meu pai me entregou a máquina, dizia para todo mundo que tinha uma máquina de escrever. Saia do curso, chegava em casa e treinava bastante, não ficava cansada, pois queria aprender de todo jeito. Treinei tanto nessa máquina que a fita de tinta acabou rapidamente. E acreditem, digitava tudo e digito até hoje somente com o dedo médio.


Penso que nós deficientes, arrumamos técnicas para tudo, não deixamos que pequenas coisas nos abalem. Quando os obstáculos aparecem, tomamos novo fôlego e seguimos adiante com toda força que temos ao nosso alcance. Certamente, fracasso e desistência não faz parte do vocabulário da pessoa com deficiência que pensa na vitória.


Enfim, depois de cinco meses de curso e muita persistência, consegui meu certificado do curso de datilografia. Aquele certificado teve um significado tão grande na minha vida, pois representava a minha primeira vitória. Pude sentir pela primeira vez o sabor da vitória e da primeira barreira derrubada.


8 comentários:

G I L B E R T O disse...

POST SCRIPTUN

A reprodução do texto segue o original.

A imagem também foi retirada do post original do blog deficiente ciente.

A intenção é manter o sentimento e a personalidade presentes no blog deficiente ciente.

HSLO disse...

Vou conferir o blog dela viu amigo Gilberto.


abraços


Hugo

ROSANA VENTURA disse...

Ja estou indo para lá visita-la!
Obrigada pela dica!
Abraços, e tenhas uma otima semana!

Deficiente Ciente disse...

Obrigada Gilberto, por nos ajudar nesse trabalho de sensibilização em relação a inclusão das pessoas com deficiência.

Obrigada pelas ricas contribuições que tem feito ao blog Deficiente Ciente. Precisamos de pessoas como você: sábias, solidárias, sensíveis, respeitosas, que valorizam e aceitam as diferenças e a diversidade. Pessoas como você, faz com que nós deficientes, vislumbremos uma sociedade inclusiva como uma possibilidade real.

Obrigada mais uma vez, meu amigo!

abraços
Vera

Direito Em Um Só Lugar disse...

Oi Gilberto.

Apenas ratificando seu testemunhal, pois depois deste já não restou muito a dizer.

Conheci o blog DEFICIENTE CIENTE assim como você, entre uma pesquisa de post e outra, vagando pela web e achei espetacular a iniciativa do mesmo e a história de vida e superação da Vera.
Escrevo sobre Direito e o DEFICIENTE CIENTE acabou por ser uma de minhas fontes de pesquisa. O blog é realmente muito bom e seu objetivo nobre e útil.

Abraços,
Luciano Mourilhe

Fatima disse...

Vou lá amigomeuzinho!
Bjs , muitos bjs pra vc que eu gosto tanto!

Cris França disse...

opa, vamos conhecer e vender a idéia. muito legal!

Regina disse...

Gilberto, querido, indicação tua, é uma ordem!

Beijo grande!