sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A TRAGÉDIA DA LAGARTIXA


Estava varrendo a calçada quando uma lagartixa morta chamou-me a atenção. Ela já estava quase desmembrada, pois sofria um ataque maciço de formigas. Observei a cena toda, o corpo da lagartixa estava sem o rabo, e este, estava a um meio metro de distância, impávido, incólume. Sei que isto é um truque de defesa deste pequeno réptil, ela desprende completamente seu rabo que fica saltando sob espasmos musculares de um lado, enquanto ela dá uma de “leão da montanha” e escapa pela outra direção. Geralmente dá certo, mas, para esta, infelizmente, não houve sucesso.
Fiquei pensativo, sobre o que teria acontecido com a pequena lagartixa, que terrível mal, quão grande tragédia houvera abatido sobre ela que lhe tragará a vida?
Será que sofrerá um ataque poderoso e estrategicamente militar das formigas que a cercaram e a deixaram-na sem saída?
Será que estava inadvertidamente pensando em alguma lagartixa fêmea e não viu algum humano passando por ali e sofreu uma pisada fatal?
Morreu de velhice?
Suicidou-se por amor, atirou-se de cima do muro embaixo da roda da bicicleta de uma criança?
O que terá acontecido com a pobre lagartixa?
Fiquei pensando e não encontrei nem imaginei hipótese que soasse crível.
E as formigas continuavam sua tarefa macabra, a lagartixa praticamente não existia mais, pensei novamente, numa viagem introspectiva e filosófica dentro da maionese: Será que a família desta lagartixa chorou por ela? Sua memória será saudada por dentre os anos? Alguma outra lagartixa derramou uma lágrima por ela? Existe um paraíso para as lagartixas?
Arre! Quantos questionamentos, a vida é mesmo complicada para os humanos e para as lagartixas...
De repente, olhei para o lado e vi a MÉL (nossa gatinha de estimação) se espreguiçando toda.



Hummmmmmmm.....



- Mél, terias coragem de assassinar uma lagartixa?



Os olhos dela brilharam como se me compreendesse...

9 comentários:

Me Barboza disse...

Gilberto, passando pra agradecer os seus comentários sempre tão gentis!
abraço, ótimo final de semana!
ps.: adorei a crônica!

ROSANA VENTURA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ROSANA VENTURA disse...

He he he!!!
A "minha" Mél, com certeza não teria coragem de matar uma lagartixa...!!
Quanto a mim,embora ame toda especie animal, tenho um "certo pavor" desse bichinho feio...
Para ser sincera, tenho menos medo do primo distante dela...o jacaré...!!!
Quanto a vida???
Uma incógnita.
Vez ou outra me pego-me fazendo perguntas que nem Freud explicaria!!!
òtimo Final de Semana amigo!
Zana

ROSANA VENTURA disse...

PS. Amei a Cronica ESTILHAÇOS!

Cris França disse...

a vida é um sopro meu amigo! beijos

.Lis disse...

Gilberto
Agradeço tanto seu carinho nos comentários que faz lá no flor de lis! obrigada, volte sempre,vou dedicar mais, pra deixar boas poesias a encher nossos corações já muitas vezes "despedaçados",rsrsrs que nem essa lagartixa horrenda. Desculpe, mas nao gosto delas, na verdade tenho verdeiro pavor!! é que qdo criança fui passear numa casa com uma varanda enorme e bem iluminada, elas estavam em volta da luz onde havia insetos e devem ter brigado e cairam bem encima de mim, ou quase encima, sei lá, só que corri assustada nunca mais esqueci e acho-as feiissimas.
Prefiro a lindeza da sua Mél.
Bom domingo e uma grande abraço

Sonia Schmorantz disse...

Pensamentos e devaneios sobre o destino de uma lagartixa, nossa imaginação é mesmo um milagre!!!
abraço

Maria das Graças disse...

Que bacana pensar a vida que nos rodeia que seja uma pequena lagartixa, mas o importante que pertence a essa cadeia milagrosa que se chama vida. E não é que todos que possuem vida um dia terminam como a pequenina lagartixa.

Um grande abraço.

Regina disse...

Hummm... creio que esta Mel guarda muito mais segredos do que imagina o nosso querido poeta!! rsrs...

Beijo!!