quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

SONETO PARA A FUGA DE POESIAS



Houve uma época que as poesias eram comuns em mim,
Nasciam de uma forma natural, imperceptível.
Elas me amavam e para elas dedicava meu tempo, enfim,
Um acordo tácito, sem nada escrito em papel.


Hoje, quando elas fugiram para um local desconhecido,
Quando as busco sôfrego, em todo instante,
Hoje quando me fiz alguém na vida e me sinto perdido,
Sinto falta das poesias, minhas amigas, minhas amantes.


A folha de papel em branco continua branca.
A caneta sequer esquenta na palma de minha mão.
Das pupilas vertem lagrimas que não estancam,


Da cabeça não salta nenhum verso,
Do peito não nasce nenhuma emoção,
As poesias fugiram para outro universo...

8 comentários:

Priscila Rôde disse...

Elas amam você,
jamais fugiriam! rs
A poesia é feito esperança,
não morre, nós que morremos pra ela.

Vanessa Souza Moraes disse...

Elas voltam...

Glorinha Leão disse...

Como assim? Até seu ponto final tem poesia...vc exala poesia em cada linha, em cada vírgula...ao te ler sei que sempre lerei algo com muito sentimento, muita verdade e ....muita poesia.
Meu poeta querido...se as palavras te fogem, procura aí, num cantinho da tua alma...elas devem ficar em fila, loucas que vc as pegue pela mão e as coloque carinhosamente no papel...ansiosamente te esperam...
Beijo grande!

Nívea disse...

a fuga das poesias? incrivel tua sensibilidade. indiscutível!

quero descobrir esse outro universo!

Que belo texto!

beijos,
Nii

Regina disse...

Meu querido Gilberto,

As poesias nunca se perdem... o encanto sempre volta porque ele simplesmente habita dentro de você!!

Você é encanto e poesia... isso é o que verdadeiramente importa!!

Aproveito a oportunidade para desejar à você e toda sua família um NATAL de muita paz, muita luz e muito amor... e que esse espírito natalino possa estar presente durante todos os dias do novo ano...

Muito obrigada por sua linda amizade que sempre me faz uma pessoa melhor e mais feliz!! Por sinal, ela já completou pouco mais de um ano!! Viva!!...

Gilberto, meu querido, todo o meu carinho à você!! FELIZ NATAL!!!

Beijo!!

Teté disse...

Oiie Giberto ,..
Rebarou bem ,não faz muito tempo msm que fiz esse blog ,mais eu adoreii conheçer universos indiferentes ,como o seu e de outras pessoas ,bom lii algumas postagens sua ..e gosteii muitoo ..Bom eu não fico muito assim na internet ,mais sempre que posso visito blog como os seu ,...
Quero agradeçer a visita ,e que volte sempre ...
Bjos

até maiis !

Álvaro Diogo disse...

Legal encontrar-se em versos alheios, aliás, ultimamente elas tem me escapado por diversas vezes.

Dia desses tive que passar para o papel no ônibus mesmo, se esperasse chegar em casa tudo iria se esvair.

Pois bem, há tempos não escrevo com frequência. O dia-a-dia voraz e feroz não tem me dado oportunidades, mas nessas férias tornarei a versar.

Ler seu blog é uma grande inspiração. Volto a parabenizá-lo pelo trabalho!

Te vejo na próxima poesia...

@alvarodiogo

Rafael Castellar das Neves disse...

Boa!! Entendo bem esses momentos...rsrs...muitas vezes pensei em descrevê-los...fez muito bem!!