terça-feira, 8 de dezembro de 2009

CAÇADORA DE BORBOLETAS




Não perguntes jamais onde estou.
Esta é a pergunta que jamais deverá ser feita.
Aliás, no que tange a mim (e a você)
Não queria perguntas ou indagações.
A incógnita já é uma argamassa da vida
E não quero edificar nosso relacionamento
Tendo como viga mestre um ponto de interrogação.
Não corras atrás de mim,
Como se fosse uma caçadora de borboletas,
Reduzindo-me a condição mesquinha de tua presa.
Sejas você, unicamente,
Sejas jardim,
Os jardins não vão até as borboletas,
As borboletas é que voam até os jardins!
Atraídas,
Capturadas,
Não por redes ou armadilhas,
Mas pelo seu encanto natural.
É isto tudo o que quero contigo,
Não quero ser aprisionado,
Nem fazer do estar junto contigo
Um estado de compromisso.
Quero estar contigo pelo prazer de estar,
Sendo o estar junto algo tão natural
Como o vôo das borboletas para os jardins,
Sendo o estar junto algo tão natural,
Que nem mesmo é uma decisão minha
- ou mesmo tua! –
É uma decisão da nossa natureza.


Não perguntes então onde estou...
Para todos é uma pergunta vazia,
Tola e despretensiosa.
Para mim não...
Machuca-me!
Ela mostra-me tua incapacidade de ver
O único lugar nesse mundo
Que eu gosto e quero estar:


- Dentro do jardim que é o teu coração!


Ilustração: Óleo sobre tela, Quadro Caçadora de Borboletas (1904), de PEDRO WEINGÄRTNER

10 comentários:

Deficiente Ciente disse...

Lindo poema, querido amigo!!
"Os jardins não vão até as borboletas,
As borboletas é que voam até os jardins!" Esplêndido!
Liberdade...que doce palavra!!
Tenha uma ótima semana, Gilberto!

abraços
Vera

Priscila Rôde disse...

"Os jardins não vão até as borboletas,
As borboletas é que voam até os jardins!
Atraídas,
Capturadas,
Não por redes ou armadilhas,
Mas pelo seu encanto natural.
É isto tudo o que quero contigo,
Não quero ser aprisionado,
Nem fazer do estar junto contigo.."

Sabedoria aos montes!
Lindo!

Glorinha Leão disse...

Gilberto, caro amigo, jardins e borboletas não existem um sem o outro...e para que essa comunhão seja perfeita, há que regá-lo e semeá-lo com palavras e afetos...perguntas, não prendem ninguém...
Beijos

Sonia Schmorantz disse...

Muito bonito este poema, cuide do jardim, e serão a borboletas que virão...
um abraço

Cris França disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Manuela Freitas disse...

Querido Gil,
Gosto de vir passear pela tua estrada verdejante.
Linda poesia, grande poeta e que beleza e suavidade mágica, tem essa imagem da borboleta que vem sem alaridos e não tem uma rede para a apanhar. Liberdade é a melhor coisa do mundo.
Bjinhos,
Manuela

ROSANA VENTURA disse...

"...Não perguntes então onde estou...
Para todos é uma pergunta vazia,
Tola e despretensiosa.
Para mim não...
Machuca-me!
Ela mostra-me tua incapacidade de ver
O único lugar nesse mundo
Que eu gosto e quero estar:


- Dentro do jardim que é o teu coração!..."

QUE LINDO ISSO GILBERTO!
SEM PALAVRAS, PARABÉNS!

ROSANA VENTURA disse...

VOCE NÃO ESCREVE...HUMILHA!!!
Muito bom vir ate aqui visita-lo!

Regina disse...

A liberdade é fundamental num relacionamento... porém, quando se ama, às vezes é difícil deixar de demonstrar sentimentos... e, muitas vezes, essa demonstração de carinho é vista, pelos homens, como prisão ou "pegação no pé"...

Homens e mulheres amam de modo diferente...

Beijos!

Cris França disse...

Gil,

as vezes algumas borboletas são nos, tão belas, tão raras, que as desejamos te-las apenas para nós, não para castrá-las , mas para poder admirar a sua beleza todos os dias, e só depois notamos, o quão egoistas o querer pode nos tornar

libertemos-nos todos então mon ami