sábado, 4 de julho de 2009

A PRINCESA, O PEQUENO PRÍNCIPE E A GATINHA


Cheguei um dia do trabalho e escutei o miado.

- Miau! Miau!

- O que é isso?

Perguntei rapidinho tirando a minha cara de bravo de dentro da mochila do serviço.

Minha princesa, olhou-me com uma carinha de anjo e disse-me:

- É a Mel, pai... É a Mel....

- Mel, quem é Mel, meu amor?

De repente, não menos que de repente, The Litlle Prince surge do nada trazendo enrolado em seu corpinho uma gatinha meio siamesa, meio qualquer coisa.

- Pai a gente ganhou ela... Não é linda?

Disse o pequeno príncipe Thy, também em sua face brilhava o rosto de um anjo.

Pensei com todos os meus botões, olhando para aqueles olhinhos súplices: “Covardia! Como se diz não aos anjos...”

- Mas, voces já se esqueceram do Jack?

Pausa para explicações:

Jack (que nome horrível para um cachorro!) foi um cão marca e modelo COFAP que apareceu por aqui e que foi seqüestrado... isso mesmo, SEQUESTRADO. A vizinha viu quando o sujeito atracou-se com ele em nossa calçada e o arrastou para uma vida sem eira nem beira. Desconfio que o rapto possua motivação sexual. Tive que usar todas as minhas artimanhas psicológicas para conter a fúria e o desespero de meus pequenos. Jack, jamais foi encontrado!

Retornando...

- Não, pai, não esquecemos, mas com a Mel será diferente. A gente vai segurar ela...
- Meu lindo, como é que se segura um gato. Só se amarrar uma âncora no pé dela... Já já ela está grande e estes muros não a seguram...

- Ah! Deixa pai... Deixa....

- Vai... Vai... Vai...

Houve carnaval entre os pequenos!


Dias depois, verifiquei que a gatinha ficava o tempo todo trancada na dispensa lá fora de casa.
Tirei-a por uns instantes e a felina saiu meio que sem entender o que estava acontecendo. Andava numa tranca nervosa. As crianças, deixavam-na lá o tempo todo, receadas que estavam que ela fugisse ou que acontecesse com ela o mesmo destino que o de Jack.

- Não pai, deixa ela lá, se não ela vai embora...

- Meu filho, vai deixar a gatinha trancada o tempo todo, isso não é vida, meu amor...

- Mas pai, ela vai embora...

- Meu filho, se ela tiver que ir embora, ela irá de qualquer jeito. Daqui a pouco ela estará grande e então, nada a segurará. Ela somente irá ficar se quiser ficar e, para tanto, você tem de deixá-la solta, para que ela aprenda a gostar da gente. Se ela gostar da gente, ela não irá embora...

O pequeno príncipe pensou, pensou, e, então, pegou a gatinha de minhas mãos e soltou-a no terreiro. Ela havia ganhado o Alvará de Soltura...

A situação hoje!!!

Desabafo!
A gata tomou conta de nossas vidas!
Ela está em todas as partes, ocupa todos os espaços, quer dormir comigo, com as crianças, nosso banheiro virou o seu banheiro, só come um tipo de ração e ando preocupado com vacinas. Toda vez que eu vou sair tem um ritual de pega a gata, pega a gata, pega a gata...

Estou louco para devolver a gatinha ao regime fechado....

5 comentários:

Fatima disse...

Que coisa mais linda Gilberto!
Quase chorei, me lembrei de quando era criança e queria tanto ter um bichinho e minha mãe nunca deixou. Tomara que a Mel nunca vá embora e fique com seus principes até envelhecer.
Querido, tem homenagem pra vc lá no meu blog.
Bjs carinhosos.

Maria das Graças disse...

Gilbrto, linda cronica! Um dia já tivemos experiências como essas com um gatinho o Léo e a última com um cãozinho nossa paixão,nosso caçula.
Deu-nos tanta alegria e amor...foi se embora ser um astro no céu...e nós aqui na terra não conseguimos esquecê-lo e nem substituí-lo por outro.

Gilberto, seu texto emocionou-me profundamente.

Um ótimo final de semana para você.

Regina disse...

Que meigo, Gilberto!

Crianças, gatinha!... É o que se tem de melhor na vida!

Carinho, sorrisos, amor, família feliz!! Momentos felizes!!

Adorei, muito singelo!

Cris disse...

Gilberto,
Eu ri por aqui lendo esse texto, porque a gata dominou a casa...rs, a minha irmã tem duas gatas na casa dela, então posso entender a amplitude dessa frase....rsrsrs

abraços meu querido! em vc, nas crianças e nessa fofa da Mel...rs

A menina que queria ficar no lugar do girassol disse...

Hum...que lindo, amei!
Tenho uma gatinha chamada Menina, que é a mesma coisa, só que é metade angorá e metade qualquer coisa, rsrs, o nosso banheiro se tornou o dela, e todas as camas também, sofremos com o ritual da vacina também, que pela segunda vez em oito anos ela esta de barriga, e agora?? rsrs...
Abraços meu bem, e obrigada por sua vista. Suas palavras sempre me fazem bem.