sexta-feira, 9 de abril de 2010

HIPOCONDRISMOS, DESASTRES E GENTILEZAS

Existem fases em nossa vida que todos os acontecimentos parecem tomar rumos que escapam ao nosso controle. Se as coisas são boas, não parecem que são; se são ruins, mostram as mais bizarras das carrancas. Nossa percepção está alterada e, em conseqüência, altera toda a maneira pela qual enxergamos a vida e todas as suas implicações.

Naquele dia que surgiu como a tantos outros, enfiado dentro de uma roupa de normalidade, estava na parada para pegar o ônibus. Daí uns vinte minutos ele surgiu, só que na sua frente, vinha um veículo que parou ao meu lado e o sorridente rosto de um amigo ofereceu a gentileza de um cumprimento fraterno. “Bom te ver!” e uma saraivada de gentilezas foram-me ofertadas encima de uma dourada bandeja de sinceridade. O ônibus seguiu seu caminho, como tinha de ser e eu, fiquei ali conversando com meu amigo crente que uma carona estava ganha.

Em pouco tempo, ele se despediu dizendo que ia para determinado destino, rumo este contrário ao meu – ele num acesso de gentileza, virará o carro na rodovia simplesmente para me cumprimentar e ver como eu estava – nunca saberia ele que sua distinção e amabilidade fizeram-me perder o ônibus.

Lógico, poderia ter ficado furioso, estava muito cansado e poderia ter extraído do lado negro que todos temos uma série de blasfêmias e palavrões, o próximo ônibus, somente viria daí umas duas horas, no mínimo. Enquanto meu gentil amigo se afastava seguindo sua vida, eu fiquei ali na rodovia, sozinho, rindo de mim mesmo e dos meus desastres. Não seria um desastre a gentileza em face vívida e sorridente tornar-se algo tão contraditório na vida de uma pessoa?

Daí a alguns instantes, um carro parou e um rosto desconhecido ofereceu-me carona. Ás vezes Deus usa as pessoas como anjos em nossas vidas... Este desconhecido seria um deles?

O carro seguiu devagar, devorando o negro chão da rodovia com paciência incomum e, nos quarenta quilômetros seguintes ouvi falar de cânceres, melanomas, carcinomas, amputações, remédios, quimioterapias, radioterapias e por aí vai. O colega era hipocondríaco na ultima extensão do alcance dessa palavra, tudo para ele era doença, e grave! Arre!

Não que seja mal agradecido, devemos estar sempre prontos a sermos gratos a quem nos oferta com gratidão. Agradeci com entusiasmo, rezei em silêncio para que tudo corresse bem com meu estranho e desconhecido benfeitor, mas, confesso, que quando ele me deixou na Avenida principal de minha cidade, o sol que me tocou a face parecia o mais sorridente entre todos os sóis.

Ele se foi, preocupado com tratamentos e metástases. 

Eu me fui, feliz por estar chegando em casa e por Deus sempre estar olhando para mim e me amar de uma forma tão especial.

E, enquanto pensava assim, comecei a sentir uma dor aguda na ponta da costela... 

Cazzo! Hipocondrismo pega???

5 comentários:

Cris França disse...

rs Gil dei muita risada por aqui, na verdade pessoas assim muito negativas sugam nossas energias e deixam-nos cansados, isso sim.
Tem gente que pensa que os outros são muro das lamentações.
Por isso a gente sempre precisa trabalhar nossa iminudade a essas situações, para não sermos esponjas e absorvermos os problemas alheios.
Ja nos basta os próprios não? pra que inventar mais...rs

bjs pra vc e para os seus, bom fim de semana!

ROSANA VENTURA disse...

kkkkkkkkkkkkk!
Meu amigo, sinceramente fiquei com uma certa raiva deste teu amigo que te fez perder o onibus para conversar...aff...não custava nada ele dar uma carona né!!!!
Quanto ao hipocondriaco..rsrsr hoje eu estou meio assim, tomando tudo que vejo pela frente para passar essa danada desta gripe que me pegou de jeito!
bjos, e amei o texto!!!

Fatima disse...

Vc é muito lindo Gilbertomeuzinho!
Bjs.

Vera (Deficiente Ciente) disse...

Sinto pelo que passou, mas foi muito engraçado, Gilberto. (rss)
Está certo que precisamos ter paciência, em um mundo de pessoas cada vez mais impacientes. Mas nesse caso, é demais, não é? É pedir muito...(rss)

Adorei o texto!!

Beijos e uma ótima semana!

Glorinha L de Lion disse...

Gilberto querido amigo! Há quanto tempo...eu, com essa blogagem coletiva das cores ando sem tempo e, te confesso, ando meio desanimada pra fazer comentários...meio deprê...mas NÂO! Te garanto que não vou fazer seus ouvidos (no caso, olhos) de penico! Nem vou falar que minha vida está cheia de probl...Não não vou fazer isso com vc...nem te dizer que estou com dor na...Não! Chega! já basta o que vc ouviu do caroneiro, né?
É amigo, a vida é traiçoeira, às vezes fecha uma porta, uma janela e todos os orifícios onde possamos fugir....hehe...força na peruca, os tempos andam cabeludos...Beijos.