quarta-feira, 15 de outubro de 2008

DOM QUIXOTE FATIMASSULENSE ou FORREST GUMP

Não se sabe realmente o por que, só se sabe que partiu a pé, mais de 30 kms pela frente, contra todas as expectativas, contra todos os prognósticos, partiu em uma jornada cansativa, de sofrimentos árduos, de recompensas miseráveis. É verdade que demorou-se um tempo ali, numa longa espera casual, numa fresta do tempo, esperando por uma carona que nunca veio.
Mergulhou em seus pensamentos e andou, andou, andou como nunca andara antes e como nunca mais andaria depois. Quando o cansaço lhe sussurrou aos ouvidos que já estava por ali, verificou que não tinha cumprido a metade da viagem. Quis correr para ir mais rápido, mas as pernas recusaram-se. A escuridão o rodeava, ficava difícil se orientar. Tinha medo de invadir a rodovia e um guepardo automobilístico o atropelasse; no mato, à sua direita, os sons dos bichos rastejantes, guinchos, sibilos, agitação nervosa de animais à sua passagem.
Em dado momento, foi atacado por um morcego enorme, era como se a própria noite com uma mãozada o golpeasse. Deu um salto para o lado, e agitou uma das mãos para o alto, o morcego assustou-se, foi-se embora. Uma vitória pouco comemorada, seu sorriso amarelo foi obscurecido pelas trevas da noite sem estrelas. Já tinha andado tanto e não havia chegado a lugar algum, suas dores avisavam-no para parar, mas sua obstinação não possuía ouvidos, ela era uma voz forte e autoritária que lhe ordenava: Avance! Avance!
E elas avançavam, as pernas, pisavam o chão preto do asfalto gasto do acostamento, ao seu lado esquerdo, na rodovia, dragões e suas carretas cruzavam o espaço urrando ferozmente. À frente, uma matilha de cães ferozes como lobos latiram impiedosamente, mais que uma defesa do seu território era uma ameaça clara. Novamente, quis correr, mas não pôde. Existem coisas que são impossíveis na vida em determinados momentos, esta era uma delas.
Algum tempo depois, passava por um terreno alagado, surpreendeu-se com as centenas de vaga-lumes que brincavam iluminando a noite de uma luz esverdeada. Parecia que uma árvore de natal nascia em meio ao pântano. Os caminhos não são apenas ponteados de tragédias e bizarrices, a beleza também se mostra em meio a esta grande aventura que é a vida.
Seis horas depois chegava ao seu destino, Fátima do Sul, o corpo doía-lhe todo. Sabia que não haveria comemorações pela sua vitória pessoal, sequer ele comemorava ou esperava aplausos. Tudo o que houvera feito provinha de uma causa pessoal, sem comprometimentos com ódios ou raivas banais com alguém ou situações outras, era apenas uma questão de foro intimo, entre ele e ele, somente. Sabia, entretanto, que sua vitória seria recebida como loucura, que ririam dele como se a obstinação e a determinação fossem coisas obsoletas. Sentia-se feliz por sua vitória. Conseguirá vencer seus obstáculos mais uma vez. Sentia-se vencedor, sentia-se um herói ainda que não houvesse manchetes apontando-o como tal. Não há importância, os heróis são aqueles anônimos que, todos os dias, vencem seus próprios limites, ainda que possam parecer, suas batalhas, absurdas aos olhos do mundo.



Charge, de autoria de Célio d’Oliveira.
A publicação da charge é minha homenagem a esse amigo/irmão que é o Célio alguém que aprendi a respeitar e admirar pela sua sensibilidade, humildade, generosidade, bondade e compaixão para com o próximo, além de ser um ótimo profissional em seu trabalho. O Célio nos irradia luz quando está por perto, com seu constante bom humor e suas tiradas impagáveis. Serei eternamente feliz por ter tido o privilégio de ter dividido alguns de meus dias com ele.

(Para ver a charge ampliada, favor clicar sobre ela)

Um comentário:

lindinha disse...

Olá, bem legal esse esse titulo como sempre sou suspeita de falar de vc!Risos...Sou sua admiradora ,sua fã numero 1.Parabens, esse é o blog que mais visito, e adoro qdo tem novidades, beijos...