sexta-feira, 5 de dezembro de 2008


Eu nasci na era da fumaça, no tempo dos trenzinhos de fumaça, tempo de viagens longas, paradas longas, de pequenas estações à margem da estrada, igual ao poeta Mario Quintana.
Eu nasci no tempo das flores, em que elas habitavam os jardins e não dividiam espaço com antenas parabólicas.
Eu nasci junto com meu primeiro sorriso e ele resiste apesar de tudo o que a vida me tem feito, brincando em meus lábios como se fosse uma criança peralta. Nasci no tempo das peraltices, roubar goiaba, tomar banho nu nos rios, jogar futebol no campo de areia, chegar sujo em casa para almoçar e levar bronca da mamãe. Que delicia levar uma bronca da mamãe!!!
Eu nasci no tempo em que se falava um palavrão sem pensar duas vezes e sem ficar se desculpando depois, palavrão que somente provocava a fúria de algumas gargalhadas amigas. Tempo em que até mesmo as obscenidades carregavam sua dose de lirismo.
Eu nasci com amor, aprendi poesia vendo o sol nascer e a primeira lágrima que verti foi deliciado com o crepúsculo de uma tarde maravilhosa. Minha primeira frase foi: “Eu te amo!” E mamãe chorou abraçada comigo sufocando-me em seus braços majestosos, firmes e protetores.
Meu primeiro beijo molhado foi roubado! Minha inocência usurpada em meio a uma adolescência ingênua. Ainda sinto nos lábios o calor daqueles lábios ladrões que mais que um carinho me levou a infância. Santa e bendita ladra! Tempo em que até mesmo os ladrões eram cultuados. Depois daquele dia fui violentado por ela um milhão de vezes em pensamentos!
Acreditem, nasci num tempo não tão distante assim. O que é a idade para uma mente aberta, um coração apaixonado, um espírito carregado de poesia? Sou fruto de meus sonhos e todos os dias sonho com tempos assim. Assim renovo meus sonhos, renovo minhas concepções, renovo a mim mesmo. Faço de meus sonhos, a minha vontade; e de minha vontade a eterna fonte da juventude. Ser feliz é tudo o que realmente vale a pena nesta vida tão fugaz...


Por Gilberto Avelino Mendes, em 24/07/2006, às 18h17min.
Foto: olhares.com

4 comentários:

Regina disse...

Oi Gilberto, td bem?
Desculpe a invasão, mas passeando pelo mundo dos blogs, te descobri e não pude deixar de postar um comentário...
Muito bonito seu blog, imagens e textos sensíveis, parabéns mesmo!
Lindos os seus poemas...
Se me permite, estarei sempre aqui acompanhando seu talento...
Beijos no coração!

G I L B E R T O disse...

Regina

Sejas sempre bem-vinda!!!

Tua presença honrou-me e fiquei feliz por conhecê-la, aproveitei e visitei seu blog, cheio de criatividade e sensibilidade. Entre todas as coisas, prefiro sempre aquelas sensíveis, pois a sensibilidade nos desperta para as boas coisas da vida.

Um beijo em seu coração, minha nova e querida amiga!

Sejas sempre bem vinda!!!!!!!!!

katiasam disse...

Gostava de poder voltar no tempo e estacionar exatamente no ponto onde estávamos todos juntos... acho que ficaria lá o tempo necessário para compreender o porquê de termos que nos separar das pessoas que mais amamos na vida?!...

Regina disse...

Que calorosa e carinhosa recepção!!
Desse jeito, não posso deixar de vir aqui sempre!!
Muito obrigada...
Concordo contigo, tbém prefiro a sensibilidade e a verdade que existe nela...
Um beijo carinhoso, meu mais novo amigo!!!