segunda-feira, 28 de maio de 2007

NOITES NA CADEIA

A noite é tão delicada na cadeia.
O silêncio, quando silêncio, é mais silêncio.
Seus sons são mais audíveis, sentidos, aguardados.
A noite é realmente mais delicada na cadeia.
Uma ducha demorada.
O pigarrear de uma garganta cansada.
Um espirro. Outro espirro.
Um rato que sobe as grades.
Dois ratos que sobem as grades.
O lento ato de fumar um cigarro, a oração da beata[1] que os santos não ouvem.
Tudo é mais escutado, sentido, com um furor que beira a idolatria.
A noite é tão delicada na cadeia.
É quando todas as suas quimeras estão adormecidas, todos os males estão entorpecidos. Desse desajeitado esquecimento da balbúrdia e do caos, da hibernação de seus demônios é que nascem estas noites tão delicadas na cadeia.
Foi numa dessas noites que aprendi que não existem anjos ou demônios, estes seres extraordinários, na cadeia. Estes estão lá fora, no universo real, cuidando ou atazanando a vida dos mortais.
Nesta dimensão alternativa, onde vagam sem perspectivas imediatas almas desalentadas, fantasmas instantâneos há arrastarem suas correntes pelos corredores desses cotidianos desesperadamente iguais, o maior de todos os anjos é o homem; e não existe demônio mais terrível que o próprio homem.
Ainda assim, em meio a esta guerra não declarada, ainda nascem noites delicadas na cadeia...


[1] Pequena porção de maconha (cannabis sativa linneu).

2 comentários:

costaito disse...

meu querido , como sempre a sensibilidade com que ve as coisas,é incrivel .Só vc. mesmo!Parabens pelo seu blog!!!Abraços,da sua fã numero 1!!

Dinha58 disse...

Oi meu querido!!! Que bom que teve essa iniciativa e nos brindou com com teu talento que é de altíssimo nível, ou seja, sua capacidade de criar, de brincar com as palavras faz de vc hj, o meu grande inspirador para continuar acreditando no que faço que é educar para que nossos alunos encontrem nos livros a sua principal fonte de crescimento moral e espiritual.Sucesso meu lindo! Sua fã nº1.