quarta-feira, 29 de junho de 2011

O AMANTE DA NOITE


Alguém me chamou a atenção para a beleza da noite, como se houvesse uma maneira d’eu ser colhido desatento para a sua beleza.
Eu sou um dos amantes da noite, o tornei algum tempo atrás, no primeiro suspiro da minha adolescência, quando os eflúvios do amor aspiraram sobre mim seu perfume mais delicado.
Eu me lembro de como olhei em seu grande olho, da forma como ela recepcionou o menino e entregou o homem.
Eu me tornei homem no negro seio da noite. Bebi seu leite e toquei sua carne, fomos amantes eufóricos.
Eu recitei para ela toda a poesia dos grandes poetas, falei-lhe de Quintana e Neruda, de Drummond e de Pessoa, de Espanca e Moraes e teci para ela em alguns velhos cadernos alguns ajuntamentos dos mais finos vocábulos, tentando exaltá-la e comemorá-la com o doce sabor da poesia.
Com a noite, preparei e brindei a poesia... na noite conheci a poesia, e por ela... por ela, me fiz melhor.
Por tudo isso, não passo impune à noite.
Eu a sinto dentro de mim, ela é minha, eu sou dela, e somos ambos prisioneiros da mesma magia lírica que enfeitiçou amantes e poetas em torno de seu corpo escultural.
A noite é sempre amante, amiga e amada.
Seu coração é um oceano que recebe com gentilezas e cânticos exaltados os marinheiros que se atiram em suas águas.
Eu estou agora dentro da noite...
Estou encantado por sua beleza e, de novo, como tantas e tantas vezes desde a minha primeira vez com ela, deixo-me envolver, dançar, cortejar, amar e ser amado por esta, a mais bela entre todas as noites, a menos encantadora das que virão.
E, de todos os segredos que a noite me confia, ela sussurra-me ao ouvido e ao coração: “Ame como amas a mim... como a mim...” e, em meio a um espasmo de paixão, a noite faz-se mais bela...
... E, eu te amo dentro desse delírio... te amo, meu amor, te amo como amo a noite...

Um comentário:

URBAN.GO disse...

Olá Gilberto!
Que lindo texto este meu amigo!
Gostei como vocês dizem tão bem; "Por demais!"
Grande abraço, obrigado por este bom momento de leitura.