sábado, 12 de março de 2011

O ESTRANGEIRO


Eu sou um estrangeiro.
Sou um estrangeiro dentro de mim.
Eu mudei muito nos últimos tempos,
Mudanças rápidas demais que não foram acompanhadas
Pela percepção que eu tenho de mim mesmo.
Alguns me olham e apontam: Ele ficou melhor assim!
Outros me vêem melhor do outro jeito.
Isso não me afeta, ninguém jamais foi e
Jamais será consenso.
Nunca busquei unanimidade,
Principalmente agora que novos valores
Mais contundentes se juntaram
Ao rol dos antigos já incrustados em minha personalidade.
Não quero ficar estabelecendo méritos,
Muito menos sobre eu próprio.
Este é melhor do que aquele Eu,
Penso esta discussão fútil e pequena demais.
Tanto o antigo como o novo Eu sempre preferiram
debates mais edificantes.
Minha personalidade somente interessa a mim próprio
E aos linguarudos de plantão.
Mas essa gente, os linguarudos, é pequena por natureza...
Lógico, que todos devemos conhecer o outro,
Estabelecer o que ele tem de bom e de mau,
Mas não para fazer disso armas contra ele,
E sim, para facilitar nossos encontros, nossa amizade,
Para estabelecer atalhos onde as coisas ruins de ambos
Não convirjam para o mesmo caminho das boas.
Eu sou um estrangeiro em mim mesmo.
E tenho procurado me entender para me fazer melhor.
Essa é a minha busca ontem, hoje e sempre.
Procurar me fazer melhor,
Para mim próprio,
Para aqueles que me rodeiam.
Se mudei foi para adaptar-me as novas contingências,
Isto é bom não é verdade?
A evolução continua em mim,
E enquanto ela for-me uma benção,
Eu estarei me adaptando às vicissitudes.
Eu sou um estrangeiro em mim...
Por enquanto...

12 comentários:

Jasanf disse...

Ah momento que até eu me sinto um estrangeiro ou que ha um deles dentro de mim, que me tortura e me alucina paulatinamente.

Hugo de Oliveira disse...

Que maravilha de poema.

abraços
de luz e paz

URBAN.GO disse...

Que bom isso meu amigo!
As mudanças são sempre evoluções, perceber que elas acontecem, demonstra grande capacidade e intelectualidade.
Alguns mudam e nunca se apercebem disso, outros como tu, apercebem-se, apreciam e aprendem com isso.
Aquele abraço.

Cris França disse...

Somos todos em certos momentos estrangeiros de nós mesmos, ora nos perdemos e ora nos encontramos.bjs

ValeriaC disse...

Adorei...tudo na vida muda...e que bom quando nós também nos permitimos mudar, sermos estrangeiros de nós mesmos...o importante é ser feliz...sempre...bjo e ótima semana
Valéria

Lis disse...

Além de estarngeiros somos frágeiss Gilberto
e na maioria das vezes fúteis.
Temos em outro canto do mundo o caos estabelecido, a fúria da natureza rompendo com o conforto ,com a tecnologia. com a evolução ...
nossas dúvidas desaparecem diante do quadro que está aí pintado em branco e preto.
saudades de voce Gilberto
saudades de mim ,hoje, agora.
fica o abraço

claudete disse...

Enquanto nos sentirmos estrangeiro dentro de nós mesmo estaremos motivados na busca do nosso eu real.
Que bom Gilberto, ser melhor a cada dia é ter foco
no alcance desta meta fascinante.
Fica em paz!

Jasanf disse...

Querido escritor, há um presentinho para ti em meu blog Lectando-me. Com carinho, ofereço-te.
Abraço,
Jasanf.

Marilu disse...

Querido amigo, entre poemas, poesias, contos, histórias tão diversas de cada um de nós,
muitas vezes fazemos com que pessoas riam, chorem, fiquem emocionadas. Somos blogueiros
colocamos nossos sentimentos em cada palavra, a todas nós Parabéns pelo nosso dia.
Feliz dia do Blogueiro.

Mayra Di Manno disse...

Eu também me sinto estrangeira em mim... Adorei!
Um beijo,

SolBarreto disse...

Quanto mas crescemos e percebemos o mundo e as coisas e pessoas que nos cercam, vamos mudando, as vezes tão sutilmente que nem percebemos, as vezes tão bruscamente que nos chocamos...mudar é parte da nossa evolução.
Adorei o texto!!

Vera (Deficiente Ciente) disse...

"Procurar me fazer melhor", perfeito, Gilberto!
A escola da vida nos ensina muito isso...
Texto simplesmente maravilhoso!

Beijos!