segunda-feira, 14 de abril de 2008

Acabei neste instante a leitura de A SOMBRA DO VENTO, de Carlos Ruiz Zafon, escritor espanhol que concebeu este sucesso editorial da Espanha e da Alemanha e já com bastante repercussão nos USA. O livro é um misto de narrativas, não se perde na construção psicológica dos personagens e se atenta ao que ele tem de melhor - a estória. É uma bela estória que não é contada em linha reta, apresenta curvas, tuneis e nos convida a enveredar por essa trama perspicaz.

Algumas coisas nos deixam com sabor de saudades: O Cemitério de livros esquecidos que, na verdade, me soa como a alegoria da própria literatura de romances, sufocada pela televisão e pelo cinema. Parece-me que as pessoas perderam o enorme prazer que um livro dá, o convite a imaginação, o sabor da aventura sendo capturado silaba à silaba, em minha concepção, algo modesta, um livro sempre será uma diversão de vanguarda, ainda que se construam tecnologias e máquinas de entretenimento fácil e oco aos montes.

Entre todos os personagens, o que mais me encantou foi o fiel escudeiro de Daniel Sempere, Fermin Romero de Torres, um homem de sabedoria acessível, tiradas infames e saborosas, visão de vida bastante racional e, ao mesmo tempo, apresenta um certo lirismo que constroi a sua ambigüidade - Já devem ter percebido que me encanta este caráter dúbio das coisas, algo que pode parecer belo e, na verdade, em sua essência é horrendo. As pessoas, a grande verdade, são assim, tem sua parcela de bondade e de maldade, tem seu lado feio e a sua beleza, podemos ser em algum momento mesquinhos e num outro ser capazes de atos de grande magnitude e honrades. O ser humano é o que é, falho, carente, sempre necessitando de algo que nunca encontra e que nunca o satisfaz.

O Romance mostra a transformação de Daniel Sempere de menino em homem, suas descobertas em busca da história de vida de Julian Carax, o escritor de "A sombra do vento", e as suas próprias descobertas enquanto ser humano, que irão formatar a sua personalidade. Julian Carax é um bom escritor e extremamente cult, ficando sua obra relegada a uma determinada fração de pessoas que a amam soberbamente, mas que, infelizmente (ou felizmente!) não alcança o grande público, sempre ávido por coisas e por literaturas de mais rápida e fácil digestão.



Trecho do livro:


O homem mais sábio que conhecí, Fermín Romero de Torres, me havia explicado certa ocasião que não existia na vida experiência comparável à primeira vez em que se despe uma mulher. Sábio como era, ele não havia mentido, mas também não havia me contado toda a verdade. Não dissera nada sobre aquele estranho tremor das mãos que transformava cada botão, cada silêncio, em uma tarefa de titãs. Nada dissera sobre aquele feitiço de pele pálida e trêmula, sobre aquele primeiro roçar de lábios, nem sobre aquela alucinação que parecia arder em cada poro da pele. Nada me contou sobre tudo aquilo, porque sabia que o milagre só acontecia uma vez e que, ao fazê-lo, falava uma linguagem de segredos que, assim que eram descobertos, desapareciam para sempre. Mil vezes quis recuperar aquela primeira tarde com Bea no casarão da Avenida del Tibidabo, quando o barulho da chuva levou o mundo para longe. Mil vezes quis voltar e perder-me numa lembrança da qual só posso resgatar uma imagem roubada ao calor das chamas. Bea, nua e reluzente de chuva, deitada junto ao fogo, com um olhos que desde então me persegue. Inclinei-me sobre ela e acariciei a pele de sua barriga com as pontas dos dedos. Bea baixou os cílios, os olhos e me sorriu, segura e forte.

- Faça o que quiser comigo - sussurrou ela.

Tinha 17 anos e a vida nos lábios.
(Zafón, 2007, Editora Suma de Letras, p.201)




O final do livro surpreende bastante, são tantas variações que, simplesmente, você não consegue jamais saber em que porto atracará. O livro é temperado com ação, humor, terror gótico e suspense, enfim, os ingredientes de toda boa leitura para uma ótima sessão da tarde.


Aprendi, desde sempre, pois leio desde cedo de minha vida, que um livro será sempre bom quando ele nos deixa com saudades de sua leitura, com gosto de quero mais. A sombra do vento cumpre todos estes requisitos e por isto, recomendo a leitura para aqueles que desejam uma boa diversão com um livro nas mãos.

2 comentários:

lindinha disse...

Olá!Puxa acho incrivel como vc. consegue descrever um livro,me deixou bem curiosa a respeito dele, principalmente esse trecho do livro!Me deixou com muita vontade de ler o livro,PARABENS, PELO SEU BLOG...BEIJOS..

Kijar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.