domingo, 12 de agosto de 2007

MAIS UMA SOBRE POEMAS




Meus amigos me escreveram para falar de poemas....
Como se os poemas fossem realmente tão importantes...
Os poemas não são mais importantes....
Importante é a queda da bolsa e a ultima crise econômica mundial!

Sou um perdedor na vida,
Não porque não sou rico e nunca o serei!
Isto é uma grande besteira sem igual....
Sou um fracassado por que entre o feijão e o sonho,
Esqueci do sonho e fiquei com o prato de feijão!

Agora, voltei novamente a ter dúvidas,
Afinal esta história era algo que tinha posto um fim.
Tinha dito não aos poemas porque, de alguma forma,
Eles teriam dito não a mim!?

Mas meus amigos abriram-me os olhos!
Oh! Bendita seja Vossa persistência, amados!
Chamaram-me a atenção para o sonho – novamente!
E o sonho é um dos atalhos para os poemas!
E o sonho é um dos atalhos para o amor!

Assim, voltei a pensar em amor, novamente,
Como pode ser isso, achava-me morto para essas coisas?
Poemas e amor andam de mãos dadas.
Se pelos sonhos procuro poemas (de novo!),
Pelos sonhos procuro novamente o amor!

E, que venham os poemas....e o amor!
Com novas faces....
Com novas formas....
Com novos sorrisos em suas caras...
E me façam novamente escrever poesia....
E me façam novamente amar!

Não estou sendo muito exigente,
Com poemas,
Com amor.
Tudo o que quero é escrever poemas....
Tudo o que quero é amar!

- E, depois, comer um bom prato de feijão!!!

2 comentários:

costaito disse...

Olá querido amigo!!!Muito bom hein?Como sempre a arte de escrever está em seu sangue,continue sempre assim!!Tenho muito orgulho de ter um amigo como vc!!Abraços!!Se vc. investe na bolsa então tem que se preocupar...
rsrsrsrs...beijos

katiasam disse...

A mim custa-me acreditar que te falte inspiração para escrever assim como para amar seja lá o que for!Desde que me conheço por gente que amas as palavras ao ponto de uma simples frase se transformar como se fosse um passe de mágica no mais lindo, tocante e surpreendente poema, seja para mim, ou para alguém que consegues, através das tuas palavras, tocar... jinhos...