sábado, 27 de agosto de 2011

PORTUGAL, UMA SAUDADE!


Portugal, não derrames lágrimas por mim.
Ainda que teu vermelho corra em minhas veias
E teu verde habite meu coração,
Eu não sou daqui,
Aprendi isso com alguma dor e resistência.
Eu sou amante das matas,
Sou daqueles que anda com os pés descalços
Fincados na vermelha terra dos cerrados,
E tomo banho seminu nas lagoas
Que refrescam o calor intenso da minha terra.
Meu falar é errado,
As concordâncias nem sempre são perfeitas,
E minha visão de mundo é limitada.
Meu mundo é todo aquele que enxergo da minha janela,
Esse é meu, esse me entende.
Eu conheço mesmo é das coisas da minha Pátria.
É nela que eu me renovo,
É nela que me encontro,
É nela que eu nasci e nela irei enterrar
Estes velhos ossos que me trouxerem até ti.
Mas tu és lindo, Portugal!
O encantamento deita em tuas ruas,
E a magia reluz em teus monumentos e paisagens.
Tenho orgulho em dizer que tu fazes parte de mim,
Que minha história mistura-se a tua
E que de alguma forma,
Eu e você estamos unidos dentro da eternidade.
E, se te peço que não vertas lágrimas por mim,
Ao mesmo tempo aceite como oferenda neste altar de saudades
As muitas lágrimas que derramo em teu chão.
Deixo-te com saudade e sofrimento,
Minha terra anseia e me espera.
E, como oração, um último pedido, Portugal,
Ame meu pai e minha irmã, seus filhos,
Como se fossem únicos,
Como se fossem os últimos que tivestes e terás,
Pois que para mim, junto com minha mãe e meus infantes,
Não há nada mais abaixo de Deus
Encima deste mundo de dor que seja mais
Importante que eles!



Foto: Arquivo Pessoal

4 comentários:

Katia Sirlene Avelino Mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Katia Sirlene Avelino Mendes disse...

Jamais conseguirei, no mais íntimo do meu ser, compreender o porquê de ter que viver um caminho diferente e distante daqueles que amo... quando estamos juntos, todos juntos, independentemente de tudo o que já vivemos, parece ser tão fácil... Mas alegro-me em meio as minhas lágrimas que agora caem, depois de tantos dias repletos de riso fácil e da casa cheia, poder compartilhar contigo e com todos que te visitam nesse cantinho tão abençoado o meu amor e a minha saudade... Amo-te, nunca te esqueças disso... e te amarei sempre por onde queira o destino que nos encontremos... Choramos na chegada e choramos com a despedida... Nossa vida sempre foi assim... uma constante despedida... O mais importante disso tudo é que sempre haverá o reencontro, e isso é que me ajuda a amenizar o vazio que sinto agora.Beijo no seu coração meu irmão e lembre-se: AMO-TE...

Sonhadora disse...

Meu querido

O que dizer deste poema cheio de emoção...deixo o silêncio falar por mim.

Um beijinho
Sonhadora

Glorinha L de Lion disse...

Que coisa mais linda Gilberto! Vieram lágrimas aos meus olhos, pois tb tenho costelas portuguesas e me deu uma saudade imensa, ao ver teu sentido adeus a esta terra que tb um dia, tive a honra de conhecer e me despedir chorando...beijos amigo,